Topo
Diogo Schelp

Diogo Schelp

Quatro ministros estrangeiros que pediram demissão por muito menos

Diogo Schelp

2011-06-20T19:11:33

11/06/2019 11h33

Michael Bates

O então ministro britânico Michael Bates coloca o cargo à disposição por ter chegado atrasado a sessão do Parlamento (Imagem: Vídeo/Reprodução)

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro tenta ganhar tempo na crise envolvendo o seu ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, acusado de parcialidade e de conversas nada republicanas com os procuradores da Lava Jato no período em que era juiz do caso, vale relembrar as histórias de ministros de outros países que pediram demissão por muito menos:

  • Em abril deste ano, Yoshitaka Sakurada, ministro da Olimpíada do Japão, pediu demissão depois de fazer comentários considerados ofensivos às vítimas do tsunami de 2011. Em um evento para arrecadação de doações para o seu partido, ele disse que apoiar o candidato da região para o parlamento era mais importante do que garantir a revitalização econômica dos locais afetados pela tragédia. Além de pedir desculpas, pediu para sair.
  • Em janeiro de 2018, Michael Bates, então ministro do Desenvolvimento Internacional do Reino Unido, colocou o cargo à disposição por ter chegado 2 minutos atrasado a uma sessão do Parlamento na qual deveria responder a perguntas sobre sua pasta. "Estou envergonhado", disse ele. A primeira-ministra Theresa May não aceitou o pedido de demissão.
  • Imagine se fosse no Brasil: em agosto de 2018, Clare Curran, ministra das Comunicações da Nova Zelândia, renunciou ao cargo por ter se encontrado extraoficialmente com um empresário que tinha interesse em se candidatar a um posto no segundo escalão do ministério. Na Nova Zelândia, o preenchimento dos cargos públicos obedece a regras de recrutamento que procuram evitar o favorecimento a amigos, com foco no mérito. Curran deveria ter incluído a reunião com o candidato à vaga em sua agenda oficial.
  • Em 2011, Karl-Theodor zu Guttenberg, ministro da Defesa da Alemanha e na época o integrante mais popular do governo da chanceler Angela Merkel, pediu demissão depois que se descobriu que, quatro anos antes, ele usou trechos de outros autores em sua tese de doutorado sem dar o devido crédito. Dois anos depois desse episódio, mais uma ministra alemã, dessa vez da Educação, pediu demissão depois de ser acusada de plágio no doutorado. Ela discordava da denúncia, mas afirmou que era melhor defender-se dela fora do cargo.

Em nenhum dos casos acima citados houve prejuízo aos cofres públicos, mas os ocupantes dos ministérios sentiram que haviam cometido erros que feriam a transparência, a dignidade e a credibilidade que seus cargos exigiam.

(Um leitor apontou um deslize em uma versão anterior deste artigo. Eu havia escrito que Moro estava sendo acusado de "imparcialidade". Se fosse esse o caso, não haveria crise alguma.)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros “Correspondente de Guerra” (Editora Contexto, com André Liohn) e “No Teto do Mundo” (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Sobre o Blog

“O que mantém a humanidade viva?”, perguntava-se o dramaturgo alemão Bertolt Brecht. Essa é a pergunta que motiva esse blog a desembaraçar o noticiário internacional – e o nacional, também, quando for pertinente – e a lançar luz sobre fatos e conexões que não receberam a atenção devida. Esse é um blog que quer surpreender, escrito por alguém que gosta de ser surpreendido.