Mais informação com menos tempo de leitura
Topo
Diogo Schelp

Diogo Schelp

Itamaraty culpa Maduro por protestos contra presidente do Equador

Diogo Schelp

08/10/2019 17h13

Equador

Protesto no Equador contra o aumento do preço dos combustíveis (Foto: Carlos Garcia Rawlins)

O Itamaray divulgou uma nota à imprensa nesta terça-feira (8) acusando o ditador venezuelano Nicolás Maduro de estar por trás dos protestos contra o presidente do Equador, Lenín Moreno. A nota diz que Maduro tenta desestabilizar "nossas democracias" e classifica seu governo como "nefasto".

A chancelaria colombiana divulgou a mesma nota, subscrita também por Argentina, El Salvador, Guatemala, Paraguai e Peru.

Nesta segunda-feira (7), o presidente Lenín Moreno fez um pronunciamento para dizer que há uma tentativa de derrubá-lo do poder armada pelo ex-presidente Rafael Correa, com a ajuda de Maduro. Correa, de quem Moreno já foi vice, vive no exílio na Bélgica.

Em agosto, a Justiça do Equador pediu sua prisão preventiva por suspeita de suborno em um caso que envolve a empreiteira brasileira Odebrecht.

Correa nega estar por trás dos protestos contra Moreno, que começaram por causa do aumento no preço dos combustíveis na semana passada e obrigaram o presidente equatoriano a mudar a capital de Quito para Guayaquil.

Leia a íntegra da nota:

Declaração de apoio ao Equador

Diante dos eventos de alteração da ordem pública ocorridos nos últimos dias na república-irmã do Equador, os governos da Argentina, Brasil, Colômbia, El Salvador, Guatemala, Paraguai e Peru expressam seu repúdio à qualquer tentativa de desestabilizar os regimes democráticos legitimamente constituídos, e expressam seu forte apoio às ações empreendidas pelo Presidente Lenin Moreno para recuperar a paz, a institucionalidade e a ordem, utilizando os instrumentos concedidos pela constituição e pela lei, assim como ele vem fazendo.

Da mesma forma, rejeitam qualquer ação destinada a desestabilizar nossas democracias por parte do regime de Nicolás Maduro e daqueles que buscam estender as diretrizes de seu governo nefasto aos países democráticos da região.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros “Correspondente de Guerra” (Editora Contexto, com André Liohn) e “No Teto do Mundo” (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Sobre o Blog

“O que mantém a humanidade viva?”, perguntava-se o dramaturgo alemão Bertolt Brecht. Essa é a pergunta que motiva esse blog a desembaraçar o noticiário internacional – e o nacional, também, quando for pertinente – e a lançar luz sobre fatos e conexões que não receberam a atenção devida. Esse é um blog que quer surpreender, escrito por alguém que gosta de ser surpreendido.