Topo

Óleo de barris encontrados em praias é o mesmo das manchas que poluem NE

Diogo Schelp

12/10/2019 08h22

Barril encontrado em praia de Barra dos Coqueiros (SE) com óleo derramado (Foto: Adema)

Uma análise feita nesta sexta-feira (11) pela Universidade Federal de Sergipe concluiu que o óleo que estava dentro de barris descobertos no litoral do estado é o mesmo das manchas de petróleo cru de origem desconhecida que começaram a atingir as praias do Nordeste no início de setembro, segundo uma fonte do governo federal com conhecimento sobre as investigações.

O resultado contradiz avaliação feita pela Marinha na quinta-feira (10) de que não se tratava do mesmo óleo.

Antes disso, a Petrobras entregou ao governo federal um relatório sigiloso informando que o material das manchas não é de origem brasileira e contém, na realidade, as características do petróleo extraído na Venezuela.

O fato de esse petróleo ser o mesmo descoberto dentro de barris trazidos pelo mar para o litoral de Sergipe pode ser a primeira pista concreta da origem do vazamento que já contaminou 71 municípios nordestinos, afetando o turismo e a vida marinha.

Os barris contêm inscrições e etiquetas que podem ajudar a identificar a embarcação de onde caiu ou foi despejado o petróleo que causou um desastre ecológico no litoral brasileiro.


Os barris contêm a inscrição "Argina S3 30", um lubrificante da marca Shell, além de etiquetas da multinacional de petróleo. Como o que havia dentro deles era óleo cru e não lubrificante, os investigadores acreditam que apenas foram reaproveitados pela empresa que fazia o transporte do óleo venezuelano.

Em um dos tonéis, a etiqueta indica que a última vez em que ele foi usado para transportar o lubrificante da Shell foi em 17 de fevereiro de 2019.

Em nota para o blog, a empresa afirma:

"A Shell Brasil esclarece que o conteúdo original dos tambores localizados na Praia da Formosa, no Sergipe, não tem relação com o óleo cru encontrado em diferentes praias da costa brasileira. São tambores de óleo lubrificante para embarcações, produzido fora do país. O IBAMA está ciente do caso."

Outras inscrições que aparecem, escritas à mão, nos barris é a palavra "ekata" e a expressão "dirty bilge".

"Dirty bilge" é o nome que se dá, em inglês, à água suja que se acumula nos porões dos navios, em geral contaminada por resíduos e óleos das máquinas. Uma das primeiras hipóteses que surgiram para explicar as manchas de petróleo era a de que se tratavam do resultado da limpeza de tanques ou do porão de um navio.

"Ekata" é uma palavra em hindu que significa "solidariedade" ou " unidade". Ekata — ou Ekta, como a palavra também é grafada — poderia ser o nome do navio que transportava os barris.

O único petroleiro com esse nome, porém, está com status "descomissionado (desativado) ou perdido", segundo o sistema de rastreamento de embarcações Marine Traffic. Sua última posição conhecida era a do porto de Chittagong, em Bangladesh, em 2017.

Empresas da Índia, de Singapura e de outros países do Sul e do Sudeste Asiático estão entre as únicas que ainda compram petróleo venezuelano, apesar das sanções impostas pelo governo americano.

Geralmente, o transporte é feito pela estatal russa Rosneft, com navios próprios ou alugados. Para burlar as sanções, muitos petroleiros têm seus transponders desligados antes de aportar na Venezuela. Dessa forma, sua rota não pode ser rastreada por satélite.

Como já foi descrito neste blog, suspeita-se que os "sumiços" das embarcações sejam uma tentativa de ocultar das autoridades americanas os novos compradores do petróleo venezuelano. São os navios fantasmas do petróleo venezuelano.

Estaria algum deles por trás do vazamento que contaminou o litoral nordestino?

Ainda não se pode descartar nenhuma possibilidade. A Marinha havia identificado 30 navios que podiam estar relacionados ao vazamento e notificou seus responsáveis para obter informações para a investigação.

Na noite de sexta-feira (11), havia a informação de que as investigações estavam se concentrando em 2 embarcações.

Com colaboração de Carlos Madeiro, de Maceió

Sobre o Autor

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros “Correspondente de Guerra” (Editora Contexto, com André Liohn) e “No Teto do Mundo” (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Sobre o Blog

“O que mantém a humanidade viva?”, perguntava-se o dramaturgo alemão Bertolt Brecht. Essa é a pergunta que motiva esse blog a desembaraçar o noticiário internacional – e o nacional, também, quando for pertinente – e a lançar luz sobre fatos e conexões que não receberam a atenção devida. Esse é um blog que quer surpreender, escrito por alguém que gosta de ser surpreendido.