PUBLICIDADE
Topo

Soleimani, a morte de Nisman e o constrangimento de Cristina Kirchner

Diogo Schelp

03/01/2020 15h09

Nissan

Protesto contra a morte de Nisman, em 2015 (Foto: Juan Mabromata/AFP)

Uma recém-lançada série documental do Netflix provocou um constrangimento entre o presidente argentino, Alberto Fernández, e sua vice, a ex-presidente Cristina Kirchner. O documentário intitulado "O Promotor, a Presidente e o Espião" trata da morte de Alberto Nisman, procurador federal encarregado de investigar o ataque com carro-bomba contra a associação judaica Amia, em 1994, que matou 85 pessoas. Nisman atribuiu ao Irã a realização do atentado terrorista.

Fernández é um dos entrevistados do documentário e nele afirma duvidar da hipótese de que Nisman havia se suicidado quando foi encontrado morto no banheiro de seu apartamento em Buenos Aires, em janeiro de 2015.

A afirmação desmente a tese de Cristina Kirchner, que era presidente quando Nisman morreu e por ele era acusada de tentar encobrir a participação do Irã no atentado. Kirchner foi categórica, na época, ao afirmar que o procurador havia se suicidado.

A entrevista de Fernández para a produção do Netflix foi concedida em 2017, quando ele ainda nem imaginava que poderia concorrer à presidência tendo Cristina Kirchner como companheira de chapa. Por isso, agora ele mudou de ideia. Nesta quinta-feira (2), o presidente argentino lembrou que a gravação do documentário foi feita há três anos e que não acredita existirem "provas sérias" de que Nisman tenha sido assassinado.

No mesmo dia em que Fernández voltou atrás em sua opinião sobre a morte de Nisman, os Estados Unidos bombadearam o comboio que levava o general iraniano Qassem Soleimani, chefe da Força Quds da Guarda Revolucionária do Irã.

Coincidências da vida… e da morte: entre os maiores interessados em tirar Alberto Nisman do caminho estava justamente o aparato de operações militares clandestinas do Irã (entre as quais incluem-se atividades terroristas), cujo comando estava a cargo de Soleimani. 

Afinal, o relatório de Nisman sobre o caso Amia não apenas indicou o envolvimento do Irã (a parte operacional do atentado foi feita por funcionários da própria embaixada iraniana em Buenos Aires), como escancarou o fato de que o episódio não havia ficado no passado, pois o país persa continuava mantendo suas redes operacionais na América Latina, inclusive na Tríplice Fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai.

Além disso, o Irã estaria conspirando com outros governos da região, entre eles o do venezuelano Hugo Chávez, para abafar as investigações de Nisman e evitar as ordens de prisão contra altos integrantes de Teerã envolvidos no atentado.

O assassinato de Nisman continua sem solução e os criminosos que ele investigou escaparam impunes, exatamente como queria o governo do Irã. Se de fato houve participação dos iranianos em sua morte, ela dificilmente teria ocorrido sem a ordem direta ou o aval de Qassem Soleimani, o responsável pelas operações da Guarda Revolucionária no exterior.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros “Correspondente de Guerra” (Editora Contexto, com André Liohn) e “No Teto do Mundo” (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Sobre o Blog

“O que mantém a humanidade viva?”, perguntava-se o dramaturgo alemão Bertolt Brecht. Essa é a pergunta que motiva esse blog a desembaraçar o noticiário internacional – e o nacional, também, quando for pertinente – e a lançar luz sobre fatos e conexões que não receberam a atenção devida. Esse é um blog que quer surpreender, escrito por alguém que gosta de ser surpreendido.