PUBLICIDADE
Topo

Diogo Schelp

Por que a esquerda defende o Irã, que enforca gays e oprime mulheres

Diogo Schelp

07/01/2020 10h29

Irã

Mural antiamericano no Irã (Foto: Imagem: Atta Kenare/AFP)

Nos dias que se seguiram ao ataque que matou o general iraniano Qassem Soleimani, a timeline dos brasileiros no Twitter foi inundada por posts em defesa do Irã — invariavelmente escritos por perfis "de esquerda". Houve quem se colocasse do lado dos aiatolás com o argumento de que, supostamente, o Irã não teria atacado nenhum país nos últimos anos, ao contrário dos Estados Unidos. Outros mostravam-se horrorizados com o fato de o presidente americano Donald Trump ter ordenado o assassinato de um "legítimo" representante do governo de outro país.

O apoio nem sempre é dado às claras. Ele vem escamoteado por argumentos que tentam mostrar o Irã moralmente superior aos Estados Unidos. Isso está evidente em posts no Twitter que fazem a pergunta retórica: "Quantos países foram atacados pelo Irã nos últimos anos? E quantos os Estados Unidos atacaram?" Também circula na rede social uma lista de intervenções militares americanas desde a II Guerra Mundial.

Ora, esse argumento é falacioso e mentiroso. Falacioso, porque parte do princípio que a moralidade de um regime reside unicamente em sua política externa, omitindo descaradamente os crimes que a teocracia do Irã comete diariamente contra o seu próprio povo, como explico abaixo. Mentiroso, porque o Irã fez, sim, ataques contra outros países nas últimas décadas. Podemos começar pelo atentado contra a Amia, uma associação judaica em Buenos Aires, em 1994, que deixou 85 mortos. O carro-bomba foi acionado em frente ao prédio por ordem do Irã.

Em 2011, agentes do Irã tentaram assassinar o embaixador saudita nos Estados Unidos.

Além disso, o Irã promove o caos sectário no Iraque há anos. Também é um financiador histórico do Hamas, o grupo terrorista que já cometeu inúmeros atentados contra civis em Israel e hoje governa a Faixa de Gaza. O Irã também arma e apoia o Hezbollah, grupo libanês que, entre outras atividades clandestinas no exterior, aliou-se ao PCC no tráfico de drogas internacional.

O Irã também promove guerras por procuração no Iêmen e na Síria, onde ajuda a dar sustentação ao regime sanguinário do ditador Bashar al Assad, aquele que usa armas químicas contra a própria população civil. Soleimani já se deixou fotografar liderando suas forças especiais na Síria, em apoio a Assad.

Nada disso configura "atacar outros países"?

Como já disse aqui, há motivos para criticar a ordem de Trump. Entre eles, a possibilidade de que a eliminação de Soleimani tenha o efeito contrário do que o esperado pelo governo americano. Em vez de evitar uma guerra, pode iniciar uma. Em vez de conter o avanço do Irã no Oriente Médio, pode ajudá-lo. Mas trata-se de um conflito de quatro décadas, esse entre Estados Unidos e Irã, e algumas decisões duras muitas vezes precisam ser tomadas.

Seria perfeitamente possível ficar só na crítica à decisão de matar Soleimani sem precisar partir para a defesa do Irã. Por alguma razão, porém, parte da esquerda brasileira não consegue ficar dentro desse limite.

Por que a esquerda brasileira — ou ao menos uma parte dela — se vê aprisionada na máxima de que "o inimigo do meu inimigo é o meu amigo", permitindo que o ódio a Trump e ao presidente Jair Bolsonaro (que se enxerga como discípulo do americano) a deixe cega para o que o regime iraniano representa de pior em relação a algumas das principais bandeiras da própria esquerda, como os direitos LGBT e o feminismo?

Para quem critica Bolsonaro por ser homofóbico e misógino, a simples ideia de passar a mão virtual na cabeça de um regime que oprime as mulheres e pune a homossexualidade com a pena de morte por enforcamento deveria provocar repulsa. Mas não provoca.

Em junho do ano passado, um jornalista alemão perguntou ao ministro das Relações Exteriores iraniano por que o país enforca gays por serem gays. Mohammed Javad Sarif disse: "Nossa sociedade tem princípios morais. E nós vivemos de acordo com esses princípios. Esses princípios morais dizem respeito ao comportamento das pessoas em geral. E isso significa que a lei é respeitada e a lei é obedecida."

É de se pensar se a esquerda brasileira, ao ler uma justificativa dessas, tira de alguma gaveta mental o salvo-conduto do relativismo cultural e dá de ombros: "Essa é a cultura deles, temos que respeitar".

O relativismo cultural, no entanto, não é o bastante para explicar o apoio de parte da esquerda brasileira ao Irã.

A razão está em uma narrativa ainda mais poderosa, capaz de unir povos, ideologias, interesses e modos de viver opostos: o anti-imperialismo.

Isso está claramente expresso na nota oficial divulgada pelo PSOL nesta terça-feira (7) a respeito do assassinato de Soleimani. A nota chama a execução por drone de "assédio imperialista dos EUA ao Irã", de "operação terrorista do Departamento de Estado" e de "vil declaração de guerra contra a nação persa".

A ideia de que os Estados Unidos são uma nação maquiavélica que age para dominar os povos do mundo por todos os meios é o que une o discurso dos aiatolás, cujo regime não se enquadra facilmente em uma classificação política de esquerda ou de direita, ao de uma certa esquerda ultrapassada, que se encanta com ditaduras como as da Venezuela e de Cuba e que vê o mundo de hoje com os óculos da Guerra Fria.

Leia mais:

Como seria uma guerra entre EUA e Irã

O que acontece se as tropas americanas deixarem o Iraque

Soleimani, a morte de Nisman e o constrangimento de Cristina Kirchner

Se Obama fosse presidente, seria criticado por morte de general iraniano?

Siga-me no Twitter (@DiogoSchelp) e no Facebook (@ds.diogoschelp)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros “Correspondente de Guerra” (Editora Contexto, com André Liohn) e “No Teto do Mundo” (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Sobre o Blog

“O que mantém a humanidade viva?”, perguntava-se o dramaturgo alemão Bertolt Brecht. Essa é a pergunta que motiva esse blog a desembaraçar o noticiário internacional – e o nacional, também, quando for pertinente – e a lançar luz sobre fatos e conexões que não receberam a atenção devida. Esse é um blog que quer surpreender, escrito por alguém que gosta de ser surpreendido.